Histórico

Atualizado em 01/10/19 15:29.

O Ministério da Saúde ciente do descompasso entre a formação e a necessidade da centralidade dos trabalhadores de saúde para a promoção, proteção e recuperação da saúde e produção dos cuidados, reconhece que a adequação da rede física ou em investimento em tecnologia é em vão se os profissionais não se apropriarem do SUS. Assim, com o objetivo de fortalecer a articulação entre instituições formadoras e o serviço passa a apoiar técnica e financeiramente os cursos que decidissem por enfrentar os processos de mudanças com o projeto para Reorientação da Formação dos profissionais de saúde (Pró-Saúde).

Numa iniciativa dos Ministérios da Saúde e da Educação editais foram lançados com esse objetivo a partir de 2005. Inicialmente o edital Promed cujo foco foram os cursos de medicina, posteriormente o Pro-Saúde para os curso de medicina, enfermagem e odontologia, em 2007 um novo edital foi aberto aos cursos das 14 categorias profissionais de saúde de nível superior estabelecidas conforme Resolução Nº 287, de 8 de outubro de 1998, do Conselho Nacional de Saúde (CNS). Nesse edital, ao contrário dos editais anteriores, as propostas não mais seriam feitas pelas unidades acadêmicas e sim institucional.

Em 2008, o Programa governamental de Educação pelo Trabalho em Saúde (Pet-Saúde) é lançado para viabilizar formação e aperfeiçoamento em serviço dos profissionais e acadêmicos da área da saúde por meio de grupos de aprendizagem tutorial em áreas estratégicas para o serviço público de saúde.

Uma proposta como essa, que visa reorientação da formação dos profissionais de saúde não se concretiza de uma hora para outra. Há de se ter a consciência de que mudanças como essas só são alcançadas quando planejadas e desenvolvidas em longo prazo.

O fortalecimento da parceria entre instituições formadoras e o serviço, apoiado técnico e financeiramente pelo Pro-Saúde e Pet-Saúde propiciam um ambiente que permite a inserção dos estudantes no cenário real de práticas como é a Rede SUS e corroboram, de maneira robusta e consolidada, para reorientação da formação dos profissionais de saúde.

Um ponto importante nesse processo foi o edital (Edital 24/2011) com o objetivo de integrar as duas iniciativas: Pró-Saúde e o Programa de Educação pelo Trabalho para a Sáude (Pet-Saúde) para se apresentam unificadas numa proposta coordenada indissociável.

Na linha do tempo das inciativas de incentivo do Ministério da Saúde por meio dos programas PET-Saúde houveram 08 editais:

Tabela

Fonte: BRASIL, 2018

A UFG foi contemplada com todos os editais, exceto o PET-Gradua-SUS.  Ao longo desses anos, os diferentes projetos e com as importantes ações estruturantes do Pró-Saúde na instituição, foi possível promover a aproximação da universidade com os cenários de prática, com os preceptores, com a formação multiprofissional e a criação de estratégias para a permanente avaliação e reestruturação curricular dos cursos.  

Como em outros momentos, a Pró-Reitoria de Graduação assumiu a articulação institucional e mobilização de diferentes unidades acadêmicas para assumirem a construção do PET-Saúde Interprofissionalidade, compreendendo que os objetivos do edital estão consonantes com a proposta de apoio a ações de inovação no ensino, integração curricular na instituição e de integração com serviços públicos e comunidade.  

O grupo do PET-Saúde Interprofissionalidade UFG/SMS Goiânia está estruturado em seis grupos nos quais se distribuem tutores (docentes) e estudantes dos seguintes cursos da UFG: Biomedicina, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Medicina, Musicoterapia, Nutrição, Odontologia, Psicologia. Na SMS há preceptores de diversas categorias profissionais (educação física, enfermagem, farmácia, medicina, nutrição, odontologia e psicologia) distribuídos em diferentes postos de trabalho e perfil de serviços. A coordenação do projeto é da enfermeira Ana Lúcia Alves Carneiro, servidora da SMS e com larga experiência de participação em projetos PET.